Plantas enxertadas são transgênicas?

Muitos geram a confusão, mas plantas enxertadas são uma coisa, e transgênicos são outra coisa. Não existe relação entre essas duas coisas, e te explicaremos melhor as diferenças neste artigo. Basicamente, plantas enxertadas são somente plantas que tiveram o seu caule conectado, enquanto os transgênicos são plantas que tiveram a sua genética alterada artificialmente em um laboratório.

Broto de laranjeira recém enxertado em outra especie de laranja.

Qual a diferença?
Enquanto as plantas enxertadas são plantas que foram conectadas uma na outra como em uma “cirurgia”, as plantas transgênicas passaram por modificações em seus genes. A técnica é realmente muito antiga, e é muito utilizada em quase todas as frutíferas do mundo todo, inclusive em cultivos orgânicos.

Um exemplos mais comuns de planta enxertada é o pé de laranja que foi ligado à raiz de um limão cravo, ou uma variedade de uva que foi conectada à raiz de uma outra variedade. Nesses casos, o enxerto geralmente é feito porque as raízes da outra planta são mais resistentes a determinadas doenças, crescem mais rápido, ou absorvem melhor a água e nutrientes que a que a espécie ou variedade fariam por natureza. Em ambos os casos, nem as folhas nem os frutos sofrem qualquer modificação, pois a sua genética continua intacta.

Ao comer o milho transgênico ou suas folhas, a lagarta morre por ter o seu “intestino” perfurado.

Já um exemplo de planta geneticamente modificada (transgênica) é o milho BT, que teve genes de uma espécie de bactéria introduzidos em laboratório dentro das células desse milho. Essa inclusão de genes faz com que o milho produza um pequeno cristal que mata lagartas que se alimentariam do milho, evitando infestações descontroladas nos milharais. Os efeitos deste milho modificado para humanos ainda não foi completamente esclarecido, gerando muita polêmica no meio científico.

Facebook
Whatsapp
Google+
Twitter
Follow by Email