Bromélias reproduzem o mosquito da dengue?

Com os contínuos surtos da dengue, a preocupação dos governos e da população com a eliminação dos focos tem aumentado bastante. As bromélias acumulam água no meio de suas folhas, e tem sido eliminadas de muitos jardins públicos e privados em todo o país, devido ao medo da doença, que pode ser fatal. No entanto, existem dúvidas do quanto a preocupação com a eliminação das bromélias é relevante e do quanto não é. As bromélias são plantas típicas das florestas brasileiras, e vêm sendo extintas dos jardins nacionais devido a esse receio, o que é bastante triste.

Cones de bromélias acumulam água.

Estudos científicos apontam que os mosquitos Aedes Aegypti não costumam se reproduzir em bromélias, e eles possuem forte preferência para se manterem em reservatórios artificiais de água, como caixas descobertas, embalagens vazias e outros similares. Pouco se sabe ainda sobre o motivo dos mosquitos evitarem esses locais, mas provavelmente o tamanho do reservatório de água e a maior presença de predadores naturais torne as bromélias locais pouco atrativos para os mosquitos da dengue. Na natureza, as larvas que nascem nas bromélias são rapidamente mortas por predadores naturais que surgem no seu cone. Segundo os cientistas, provavelmente algumas larvas possam aparecer nos cones das bromélias somente em áreas que já estão extremamente infestadas, onde o problema já existe.

De qualquer forma, é possível concluir-se que a nossa preocupação com as bromélias não deve ser tão grande assim, já que elas não são locais propícios aos mosquitos da dengue. No entanto, é recomendável que fiquemos de olho de tempos em tempos, para verificar a presença de larvas.

Caso o medo persista, você pode também utilizar a pulverização de inseticidas a base de água, borrifando pequenas quantidades uma vez por semana, a uma distância mínima de 30 cm da planta. Esses inseticidas não são prejudiciais à maioria das plantas, e controlarão qualquer foco que possa estar surgindo.

Referências:

Varejão, José Benedito Malta, et al. “Criadouros de Aedes (Stegomyia) aegypti (Linnaeus, 1762) em bromélias nativas na Cidade de Vitória, ES.” Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical 38.3 (2005): 238-240.

MOCELLIN, Márcio Goulart et al . Bromeliad-inhabiting mosquitoes in an urban botanical garden of dengue endemic Rio de Janeiro – Are bromeliads productive habitats for the invasive vectors Aedes aegypti and Aedes albopictus?. Mem. Inst. Oswaldo Cruz,  Rio de Janeiro ,  v. 104, n. 8, p. 1171-1176,  Dec.  2009 .

http://revistagloborural.globo.com/Cidades-Verdes/noticia/2015/09/bromelias-sao-imunes-ao-mosquito-da-dengue.html

Facebook
Whatsapp
Google+
Twitter
Follow by Email